O que queremos do Windows 8


Na ocasião do aniversário de 25 anos do Windows, o MaximumPC examina o futuro do sistema operacional da Microsoft.

Para o bem ou para o mal, o fato é que neste fim de semana o Windows completou 25 anos — a primeira versão dele foi lançada dia 20 de novembro de 1985. Se pedíssemos para as pessoas usarem uma palavra para descrever os 25 anos de história do sistema operacional da Microsoft, provavelmente a palavra “conturbada” seria bem popular. E não há mesmo muitas palavras melhores para se usar frente a tal pedido.

Afim de tentar jogar alguma luz no futuro do Windows, decidimos perguntar a alguns dos maiores fabricantes independentes de PCs o que eles já ouviram falar, e quais recursos e funcionalidades eles gostariam de ver no próximo grande lançamento do Windows. Alguns não se importaram em se identificar, mas a maioria preferiu manter os seus comentários na sombra do anonimato, “em off”.

A seguir: conhecimentos parciais, fatos e alguns chutes descarados.

E daqui para onde?

No Windows 8, o usuário será mais importante que o sistema, e a nuvem reinará suprema

Como será o visual do Windows 8? E quando ele chega?

No meio do ano, o mundo teve a primeira chance de ver o que poderia estar nos planos para o Windows 8 quando o site italiano Windowsette.com publicou vários slides de PowerPoint que supostamente seriam internos da Microsoft e teriam vazado. A maioria dos slides terminavam com um disclaimer afirmando que se tratavam de uma “discussão do Windows 8”, e não de um plano de ação, mas ainda assim eles dão algumas boas pistas sobre o futuro.

Provavelmente o slide mais intrigante e surpreendente de todos é um que não apenas admite o sucesso de um grande concorrente, como ainda o torna um exemplo. Intitulado “Como a Apple faz: um círculo virtuoso”, o slide fala sobre a percepção de uma experiência positiva de uso dos clientes da Apple e exalta a satisfação dos clientes com os seus produtos, e por sua vez a lealdade à marca que isso gera, e os lucros trazidos por essa lealdade.

Outro slide importante, intitulado “Foco: capacidades de hardware”, apresenta um protótipo de PC tudo-em-um para argumentar que o formato físico dos sistemas que usam o Windows está evoluindo. Acompanhando esta imagem estão vários bullet points discutindo aspectos diversos, desde login por reconhecimento biométrico (a apresentação depois prevê que “integração com câmera será onipresente até 2012”), controles por voz, display de toque com “com cinco ou mais pontos de contato para melhor amostragem”. Prosseguindo, uma seção “Sensores” faz alusão ao suporte de recursos como sensores de proximidade infravermelho, sensores de sleep/wake por proximidade e sensores de luz que automaticamente ajustam o brilho da tela de acordo com a luz ambiente e as condições do local.

Estes são dois dos slides de “discussão” que supostamente vazaram de uma apresentação da Microsoft OEM este ano.

Também parece claro que o Windows 8 estará com a sua cabeça na nuvem, por assim dizer. Segundo a suposta “discussão”, a identidade do Windows evoluirá, tirando o foco da máquina e o colocando no usuário. Em teoria, a conta de cliente do Windows será conectada à nuvem. Os PCs remotos poderão fazer login em websites, e configurações serão armazenadas na nuvem e acompanharão o usuário em diferentes máquinas.

Além disso, os slides falam sobre um conceito de “Windows Store” na nuvem, que seria naturalmente uma resposta à Mac App Store da Apple. No cenário ideal vislumbrado pela discussão no PowerPoint, os consumidores poderão comprar aplicativos online que “poderão usar em qualquer aparelho Windows”, e os desenvolvedores terão uma boa mão na roda para “alcançar milhões de usuários”.

Outras inovações notáveis que foram pautas da discussão incluem a capacidade do computador de ser ligado instantaneamente (ou quase), melhoria nas ferramentas de diagnóstico e monitoramento de hardware/software e suporte a um botão “reset” que em um toque não apenas reinstalaria o Windows, como manteria todo o ambiente de usuário intacto, incluindo configurações, arquivos pessoais e aplicativos. Se podemos acreditar no material vazado, haverá uma ênfase em tornar possível que “os usuários se conectem à ajuda correta quando for necessário”, o que não é um desafio pequeno, dada a enorme variedade de desenvolvedores de hardware e software.

Algo interessante: quando a apresentação discute os formatos-alvo, o tradicional desktop PC não é mencionado. Os três “centros de gravidade” são PCs tudo-em-um, laptops e slates/tablets.

O que não veremos?

Surpreendendo a ninguém, quando perguntamos ao nosso painel de fabricantes independentes o que eles mais queriam no Windows 8, recebemos uma grande variedade de respostas. Muitos deles elogiaram o Windows 7 por ser estável e rápido. Um dos membros, Kelt Reeves, dono da Falcon Northwest, nos contou que a sua empresa ainda está faturando alto com vendas do Windows 7, tanto que a sua única esperança com o Windows 8 “é que eles não estraguem todo o progresso que fizeram com o Win7!”.

Já que parece estar acontecendo um ciclo de dois anos de desenvolvimento, em vez do tradicional ciclo de cinco anos — mais sobre isso a seguir –, é provável que a Microsoft não vá introduzir nenhuma grande tecnologia fundamental no Windows 8. Dada a estabilidade e confiabilidade do kernel NT que tem servido como fundação para todas as versões recentes do Windows, é improvável que veremos mudanças significativas nele. E graças à satisfação que a implementação da interface Aero trouxe tanto aos fabricantes quanto aos usuários, é improvável que veremos mudanças significativas no esquema de interface, além das melhorias relacionadas com as telas de toque.

O que veremos?

Em vez disso, o que nós — e todos com quem conversamos — esperamos ver no Windows 8 é uma mudança de foco, de uma computação baseada no sistema para uma baseada no usuário. Este não será um desafio simples. As implicações de uma mudança assim são massivas, com milhares de possíveis efeitos colaterais. Também esperamos ver melhorias no desempenho e implementação de recursos projetados não apenas para superar a Apple, mas também o Android e o Chrome OS. A relativa estabilidade do Windows 7 deve ser de grande ajuda nesta missão, já que permite à empresa se concentrar em adicionar recursos em vez de consertar bugs. “O Windows está sob ataque de todos os lados, com o iOS e o Android/Chrome o ameaçando”, disse um dos nossos fabricantes anônimos. “Ele ainda está com um embalo incrível e não vai deixar isso passar, mas o sistema operacional do futuro precisa ser mais ágil e veloz”.

Como sempre, um dos objetivos será diminuir o tempo de boot, e a invasão dos SSDs — que nós apostamos que serão padrão em computadores de preço médio e alto até o fim do ano que vem — ajudará com isso. “Estamos pedindo à Microsoft por tempo de inicialização menor que 30 segundos”, nos contou um dos fabricantes. Com a constante evolução de poder da plataforma PC, não ficaremos surpresos de ver o Windows 8 inicializando-se em menos de 20 segundos.

Quase todos os especialistas consultados foram firmes em insistir que o Windows implemente um modo “instant-on” (ligado instantaneamente). Em um mundo ideal, com um sistema estável, o tempo de boot não importaria tanto, já que um modo instant-on é essencialmente o mesmo que acordar de um modo standby. De qualquer forma, o recurso é uma inevitabilidade com todo o esquema de streaming de mídia e acesso remoto que certamente virá em futuras iterações de todos os sistemas operacionais. Atualmente, instabilidades causadas por drivers de display e incompatibilidades continuam atrapalhando os sistemas na hora de acordar. A Microsoft terá que resolver a situação dos drivers de terceiros em nível de código e distribuição. Sem surpresas aqui: veremos modos mais efetivos de certificar e automaticamente distribuir estes drivers.

Vamos também tirar do caminho as outras melhorias inevitáveis. Pedidos universais incluem integração mais profunda com agenda e contatos, além de redes sociais — preferivelmente no nível de desktop, não do navegador ou mesmo de programas. A popularidade do desktop altamente dinâmico do Android também nos faz esperar ver mais (e mais úteis) aplicativos no estilo widget, múltiplas visualizações de área de trabalho que possamos alternar de acordo com contexto e situação e melhorias na barra de tarefas e nas notificações de sistema. Também há, obviamente, espaço para melhorias na resolução de problemas e diagnósticos.

Mas chega de falar de coisas pequenas. Vamos dar uma olhada nas maiores funcionalidades e recursos que esperamos ver no Windows 8.

Apps & Jogos

Todo ano a Microsoft, a Apple e o Google expandem as suas esferas de influência adquirindo, imitando ou duplicando os aplicativos e serviços de terceiros. Nós estamos apostando que, no Windows 8, a Microsoft colocará em prática as lições ensinadas pela Apple e pela Valve com a App Store e o Steam.

A próxima iteração do Windows terá uma integração mais aprofundada com jogos e outros aplicativos através de um gerenciador. Kevin Wasielewski, fundador da Origin PC, concorda. “Apesar do Windows Phone 7 incluir o Marketplace”, diz ele, “será bom ver isso chegar ao Windows 8. Os programas instalados deveriam funcionar mais como apps, com atualizações, compras internas e outras coisas”. O cliente Steam, da Valve, é o modelo perfeito disso. No Windows 8, o gerenciamento de aplicativos, atualizações e até compras será feito de maneira fácil, integrada e automatizada, nem necessidade de discos de instalação ou chaves seriais. Estamos babando por um sistema de saves armazenados na nuvem, que nos permitirá jogar em várias máquinas diferentes e continuar sempre do mesmo ponto.

O cliente de jogos Steam, da Valve, se popularizou enormemente nos últimos anos. Devemos ver algo similar no Windows 8.

A verdade é que a Microsoft já tem um marketplace. Ele se chama Xbox Live. A empresa também já tem um framework para desenvolvedores independentes, o kit de desenvolvimento XNA, que é capaz de rodar no Windows, Xbox 360, Windows Mobile e Zune. O verdadeiro ingrediente secreto pode ser a capacidade da Microsoft de permitir e encorajar aos usuários a migração dos seus apps, jogos e conteúdo entre aparelhos, ou permitir acesso aos jogos via conexão remota. Wasielevski completa: “O OnLive é legal, mas eu estou limitado ao conteúdo deles e às possibilidades de largura de banda deles em situações de uso pesado. Eu gostaria de ter a possibilidade de me conectar ao meu poderoso PC de games como um servidor para jogar em outros locais com meus aparelhos móveis”.

Sistema Operacional baseado na nuvem

Nós também já estamos ficando cansados de ouvir falar dessa tal “nuvem” — ela parece ser uma evolução óbvia, e uma que já está por aí por algum tempo —, mas ela será extremamente relevante enquanto a Microsoft está se alterando para uma arquitetura com foco no usuário para o Windows 8. Mas o que isso significa em termos de recursos propriamente ditos? Primeiro: empresas como Dropbox, Carbonite e outras com foco em serviços de armazenamento e backup online devem ficar preocupadas, porque o Windows 8 incluirá suporte ao SkyDrive em nível de Gerenciador de Arquivos, que permitirá salvar e acessar arquivos a partir de qualquer lugar e em qualquer aparelho.

Com o SkyDrive, a Microsoft já tem o seu Dropbox killer. Podemos esperar vê-lo completamente integrado ao Gerenciador de Arquivos na próxima versão do Windows.

Falando nisso, também veremos uma implementação robusta de toda a suíte Office da Microsoft via Office Live. A grande diferença será o fato de que ela será implementada no próprio sistema operacional. Nós enxergamos a Microsoft cobrando por isso de forma similar ao que acontece no Xbox Live — vários tipos de assinaturas por períodos diferentes darão acesso aos aplicativos do Office Live, assim como sistemas de nuvem, vídeos e filmes, além do mercado de apps do Windows.

Virtualização

Até hoje, o recurso de virtualização nos parece subaproveitado, e esperamos que isso comece a mudar com o Windows 8. É difícil prever agora como isso vai funcionar além de processos virtuais de aplicativos e zonas seguras em quarentena para navegadores e aplicativos. Um dos especialistas que consultamos para esta matéria nos deu uma ideia interessante ao sugerir que a Microsoft implementasse um “modo de alta performance para games que desligasse temporariamente serviços e tarefas desnecessárias com apenas um clique”. Concordamos. Nós levamos esta ideia um passo adiante e começamos a contemplar as possibilidades de combinar uma virtualização acelerada por hardware com serviços de jogos baseados na nuvem. Imagine um serviço como o OnLive, que usa virtualização, mas que também ofereça acesso simples e sem latência à camada de hardware do seu PC.

A virtualização também pode ser usada para melhorar a conectividade remota e interoperabilidade entre aparelhos móveis e o Windows. Não é um absurdo imaginar a Microsoft chegando com um aplicativo que tire vantagem da tecnologia VirtualPC da empresa e permita aos usuários conectarem-se e usarem o seu aparelho móvel de forma completa e automática. A virtualização pode ser usada para duplicar e hospedar um ambiente como este, que chamaremos de “Windows Teleporter”. Isso seria fácil de conseguir com o Windows Mobile OS, mas obviamente exigiria soluções mais complicadas e conflituosas para funcionar com BlackBerry, Android e iOS.

Armazenamento

O Windows 7 veio com suporte à função Trim, que permite ao sistema operacional se comunicar com um drive de estado sólido sobre quais setores são OK para acúmulo de lixo, e tornou prático o uso dos SSDs para os consumidores. No entanto, o espaço em SSDs ainda é bastante limitado, portanto ele é melhor usado para aplicativos, não documentos. O recurso de bibliotecas do Windows 7 facilitou a configuração de bibliotecas com ligação a drives externos, mas descarregar todos os programas significava mexer com ligações simbólicas para enganar os programas que salvam no C:\ independente de onde estão armazenados. Assim, esperamos que o Windows 8 inclua maior separação entre os aplicativos e os dados (como o Linux) e permita total disassociação entre a partição do sistema operacional e o local de armazenamento de dados e documentos — ou que pelo menos tenho um assistente para mover a pasta Documentos.

Do outro lado do espectro, espere suporte a partições bootáveis maiores do que 2TB. Isso já é permitido nas versões de 64-bits desde o Windows Vista, mas elas precisam de bootloaders UEFI e partições GPT. O Windows 8 e a fome por maiores capacidades de armazenamento vai impulsionar a adoção de UEFI.

Para a sala de estar, e além

Um último pensamento: nós apostamos que o Windows 8 marcará o fim da camada do Windows Media Center, assim como o Windows Media Player em si. A direção que a Microsoft tem tomado com a Xbox Live nos faz pensar que o Zune será a fundação para todo o consumo de mídia no Windows, assim como o iTunes é para a Apple.

TV e Home Theater é uma categoria onde a Microsoft está com fortes opções, mas incluir um OS completo em uma HDTV, ou mesmo em um PC tudo-em-um de entrada, não faz sentido. Um pedido que ouvimos repetidamente dos nossos desenvolvedores consultados foi por uma versão do Windows que fosse “menor e com especificações mais modestas, para aplicações de baixo custo como em HDTVs, mas com o shell e a interface completa do Windows”, como especificou um deles.

Esperamos ver o Windows Media Center arrancado para instalação em HDTVs ou PCs tudo-em-um de baixo custo.

Então, quando o Windows 8 fará a sua estreia? Um dos slides de discussão vazados menciona um lançamento em versão beta para a metade de 2012, com o lançamento completo no final do mesmo ano. Esta seria uma data de lançamento bem apressada para a Microsoft, que tem lançado novas versões do Windows com cerca de cinco anos de diferença.

Dito isso, nós estamos apostando que o lançamento do Windows 7 marque uma mudança no ciclo de desenvolvimento para a Microsoft, de ciclos de 5 anos para ciclos de 2 anos. Por quê? Porque a Apple faz isso, assim como o Google com o Android. No ambiente em constante evolução de hoje em dia, cinco anos é muito tempo para esperar mesmo por uma mudança tão grande. Esperamos o Windows 8 para o final de 2012.

O MaximumPC traz a você as últimas notícias, reviews e tutoriais sobre o mundo dos PCs.

Fonte: Gizmodo

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Cloud Computing, News, SaaS, Virtualization. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s