Empresa do grupo Coca-Cola no Brasil inicia padronização do BI


A Vonpar, fabricante responsável por cerca de 10% do volume de vendas do sistema Coca-Cola no Brasil, que atua em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, tem hoje uma dependência bastante grande do business intelligence (BI) para a tomada de decisões estratégicas. E, não à toa, a área de TI da companhia desenhou um plano para padronizar os cinco diferentes sistemas de BI que rodam hoje na empresa.

O projeto nasceu de uma experiência bem-sucedida que a empresa teve com a adoção de um BI in memory, fornecido pela Qlik View, para o departamento de finanças. Entre outras atividades, a ferramenta analisa a rentabilidade de todos os produtos da companhia.

O CIO da Vonpar, Ricardo Nizoli, conta que a solução foi implementada no segundo semestre de 2009, após uma tentativa frustrada de adoção de uma outra ferramenta de business intelligence, mas que não suportou o volume de transações do departamento financeiro. “Em nove meses, tivemos 56 milhões de registros que precisavam ser tratados pelo BI”, cita o executivo, ao justificar a necessidade de um sistema robusto.

Após analisar as alternativas do mercado e avaliar quais as soluções que melhor se adequariam ao perfil da Vonpar, a equipe de TI optou pelo Qlik View, fornecido pela Inteligência de Negócios. “Já tínhamos conhecimento de ferramentas que trabalhavam in memory, mas os resultados surpreenderam”, afirma Nizoli. “Com o sistema, a emissão de relatórios analíticos passou a ser feita em 2 horas por cada analista”, conta o executivo. Segundo ele, pelo modelo anterior, no qual a empresa usava planilhas eletrônicas, o mesmo trabalho demorava 7 dias úteis e precisava de dois profissionais.

Outro diferencial do produto, em relação aos demais BIs utilizados pela companhia, é que o sistema dá autonomia aos usuários das áreas de negócio para criar novos campos, publicar e gerenciar o acesso à aplicação. “O que tirou uma tarefa da equipe de TI, a qual deixou de ficar responsável por fazer os ajustes necessários no sistema”, pontua o CIO.

Quanto aos resultados financeiros, apesar de não divulgar os investimentos realizados para obter 50 licenças da Qlik View, Nizoli garante que o retorno tende a ser rápido, por conta das próprias oportunidades de melhoria que têm sido possíveis graças às análises fornecidas pela ferramenta.

“Agora estamos na fase de expansão da solução para toda a companhia. O objetivo é, aos poucos, trocar as outras ferramentas de BI pelo mesmo sistema”, informa o executivo. O primeiro passo, que deve acontecer até o final de 2010, será adotar o Qlik View como principal ferramenta para análises gerenciais do departamento comercial.

Por Tatiana Americano, da Computerworld

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Business Intelligence. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s