Software de código aberto atrai um número maior de empresas


Quando o CIO da OTDA (Office of Temporary and Disability Assistance) – agência de Nova York (EUA) que coordena programas para assistência a pessoas desempregadas ou incapacitadas –, Daniel Chan, optou por usar o software de código aberto, ou open source, não levou em conta a economia que isso poderia acarretar.

Chan estava interessado em ajudar a equipe de TI a implementar projetos de forma mais rápida. Ele lembra que, em média, o processo de compra de um software tradicional demorava de 12 a 18 meses, “o que criava uma barreira à criatividade”, ressalta.

A partir dos testes com o software de código aberto, em questão de meses, o time de Chan tinha as ferramentas necessárias para construir um novo sistema de auto-atendimento aos usuários. Apesar da agência contratar o suporte de um fornecedor terceirizado, não precisou negociar as questões relativas a licenças com os departamentos de compras e o jurídico, o que reduziu consideravelmente o tempo de implementação.

As vantagens não terminaram aí. Graças à facilidade de escalar o sistema, a equipe de Chan conseguiu responder ao incremento das demandas geradas durante a crise e, em paralelo, ajudou a expandir o projeto para três agências de outros estados, em apenas um mês. “Só foi possível em tão pouco tempo graças ao fato de não ter licenças envolvidas”, detalha o CIO.

Inspirado pelo sucesso da manobra, o executivo da OTDA avalia a possibilidade de migrar as aplicações da agência que estão na plataforma Unix para o Linux. Dessa vez, a principal motivação é a economia. “Há uma perspectiva de reduzir os custos em três a cinco vezes com a migração para o ambiente open source”, afirma Chan, que explica: “Uma atualização tecnológica que poderia custar 5 milhões de dólares, acaba saindo por 1 milhão de dólares ou até menos.”

Um levantamento exclusivo realizado pela Computerworld com profissionais de TI revelou que para 80% deles a redução de custos representa a principal vantagem do uso de software de código aberto. Dentro dessa base, 61% ainda informaram que a aceitação dos programas cresceu nas empresas nos últimos anos.

“O software de código aberto evoluiu, na última década, de algo que era visto como um negócio arriscado e usado por pequenos desenvolvedores para um mercado estimado em bilhões de dólares”, afirma Jay Lyman, analista da The 451 Group, empresa de análises na área de TI. “Essas soluções definitivamente atingiram a maturidade e sua função é de gerar economia”, pontua Lyman.

Associar diretamente a adoção do open source à economia, no entanto, pode criar uma visão equivocada dos usuários, principalmente no que tange aos desafios envolvidos nesses projetos, como gerenciar as mudanças culturais, riscos, expectativas e custos adicionais.

O analista da The 451 faz um alerta: “Quando as pessoas descobrem que o custo termina sendo maior do que o imaginado, começa uma série de histórias de horror nas empresas”. Para piorar a situação, a consultoria Forrester Research lembra que, até bem pouco tempo, a decisão de investir em código aberto não estava atrelada à estratégia corporativa e, sim, era algo pontual. A conclusão é que enquanto os executivos olharam apenas para as vantagens financeiras, deixaram de lado outros potenciais benefícios e riscos envolvidos em projetos com software aberto.

Nem tão gratuito assim
Um dos motivos que tornam os custos dos projetos de open source mais altos do que o esperado é o fato de que quando as empresas passam a utilizar uma licença de software – em especial aquelas versões que não são oferecidas por comunidades de desenvolvedores de código aberto – precisam pagar por ferramentas complementares, para ter acesso à equipe de suporte ou extensões para o sistema. 

De acordo com o analista da consultoria Gartner Mark Driver, a grande maioria das iniciativas comerciais para oferecer open source hoje em dia tem com base esse modelo híbrido, no qual a licença é gratuita, mas todas as iniciativas complementares têm custos. “O que torna essa ‘abertura’ do software questionável”, sinaliza Driver.

Ainda de acordo com ele, mesmo que essas soluções tenham licenças com custos bem menores do que o software tradicional, incluem termos e condições que restringem seu uso. “Vejo muitos usuários que adotaram  open source desistindo desse tipo de software”, cita o analista. Ele afirma que, em boa parte dos casos, os usuários reclamam da dependência que passaram a ter do fornecedor.

Jay Lyman aponta que o open source adapta-se melhor às grandes corporações, uma vez que elas têm uma equipe de desenvolvedores dedicada a esse tipo de solução que, inclusive, pode interagir com as comunidades. O Grupo NPC International – que administra mais de 1.150 restaurantes da Pizza Hut em todo o mundo – representa um bom exemplo dessa situação.

Há cinco anos, a empresa tomou a decisão de dar preferência ao uso de soluções open source. Um dos maiores projetos da companhia nesse sentido foi a migração dos sistemas que rodam em 10 mil pontos de venda, da plataforma dBase para PostgreSQL.

O CIO da rede norte-americana de supermercados Save Mart, James Sims, por sua vez, optou por comprar uma licença corporativa para complementar o sistema de código aberto. O grupo usa uma série de soluções open source, mas enfrentou problemas com a versão pública do banco de dados Ingres, o qual roda toda a folha de pagamento e o controle das horas trabalhadas dos funcionários da companhia. A grande deficiência da solução era em relação à sua capacidade de suportar o tamanho do grupo, que opera com 240 lojas e 115 farmácias.

Após detectar o problema, Sims conta que procurou a fornecedora do sistema e decidiu assinar um contrato de suporte corporativo. E mesmo pagando o equivalente a qualquer serviço oferecido por um fornecedor de banco de dados tradicional, o executivo se mostra bastante satisfeito: “O suporte da Ingres é incrivelmente eficaz, muito acima das expectativas.”

Bassim Hamadeh, fundador da editora de material didático University Readers Inc., tem uma experiência similar à de Sims. Há três anos, depois de experimentar por 24 meses a versão gratuita, ele comprou a licença de uso do sistema SugarCRM. “Nosso gerente de TI leu a respeito da versão 2.0 da solução, instalou o software e, em questão de uma semana, estávamos rodando o programa”, lembra, ao afirmar que, após esse teste, ele decidiu adquirir a solução.

Ao migrar para a versão paga do SugarCRM, a University Readers passou a arcar com um custo anual aproximado de 350 dólares por usuário. “O que representa uma economia de 75% em comparação a soluções tradicionais”, calcula Hamadeh. Ele destaca ainda que outra vantagem do novo sistema é o fato dele contar com recursos adicionais, entre eles, geração de relatórios mais robustos, um gerenciador do fluxo de trabalho e disparos programados de campanhas.

Outro diferencial competitivo dos sistemas de código aberto é o apoio gratuito de especialistas que pode ser obtido em fóruns de discussão nas comunidades open source, em especial, no caso de sistemas amplamente disseminados ou daqueles mais maduros. Mesmo assim, contar com esses grupos como única fonte de suporte, no lugar de contratar serviços adicionais, pode ser uma estratégia arriscada.

“Com uma busca no Google é possível resolver cerca de 90% dos problemas com software de código aberto, mas os 10% restantes podem representar a morte, em especial se envolverem sistemas de missão crítica”, destaca o analista da Gartner. Ele cita que é essencial entender o impacto nos negócios que uma falha tende a causar e qual o plano para contornar tais eventualidades. “Se não existe um acordo de nível de serviço, contrato ou garantia, o usuário precisa estar pronto para arcar com a responsabilidade”, explica Driver, que acrescenta: “Quando a empresa tem recursos internos de suporte, tudo bem. Mas se esse não for o caso, ela gera riscos incalculáveis.”

Na NPC, de todos os softwares de código aberto utilizados na companhia, o CIO Jon Brisbin optou por contratar suporte apenas para o servidor SpringSource, que roda aplicativos web hospedados em uma nuvem interna. A decisão foi motivada pelo fato de a equipe de TI da companhia não conhecer o suficiente sobre a solução. “E tenho dificuldades de montar uma lista de 150 desenvolvedores e ficar fazendo perguntas a eles. Até porque são poucas as empresas que fazem as coisas do mesmo jeito que a minha”, relata Brisbin, ao explicar que isso o levou a desembolsar 2 mil dólares pelo serviço.

Por Computerworld/US

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Software Engineering. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s